Páginas

04/05/2011

Porque não devemos sobreviver ao trabalho

Estamos “condenados” ao trabalho ao menos 8 horas de nossos dias, 5 dias da semana, todos os meses do ano por, no mínimo, uns 50 anos. Vale a pena esperar para ser feliz apenas no quinto dia útil do mês?

Acho interessante como as pessoas que buscam a felicidade são as mesmas que limitam seus momentos de auto-realização aos fins de semana, feriados prolongados ou, pior, somente a partir da aposentadoria. Não, não sou contra a todas essas datas. Só acho um desperdício. E em tempos de sustentabilidade, o que pode ser mais insustentável do que negligenciar as próprias vontades da alma, essa coisa que está aí dentro de você?

Profundo demais? Não. Há muitas pessoas que, assim como eu, não só acham possível ser feliz no trabalho, como já estão se movimentando pra levar esta mensagem adiante. Um exemplo: recentemente conheci a  Rede Novo Olhar, que tem como objetivo conectar pessoas que acreditam na auto-realização e propósito maior no trabalho.

Sim, eu sei...A essa hora você deve estar pensando: "Mas eu preciso ganhar dinheiro" , "Ninguém vive de amor" ou "Não é tão simples assim". Não, não é simples. Mas não é impossível. E acho que um bom começo é esquecer essa divisão de vida pessoal e vida profissional. Não sei você, mas eu só tenho uma vida - e a graça está justamente em dar um jeito de encaixar essas "duas" numa só....rs. Precisamos repensar essa divisão que inventaram por aí, você não acha?

Também sempre achei que precisávamos de algo que nos motivasse além do salário (e que este algo não fosse um VR...rs). E não só por questões idealistas. Vejamos: muitas pessoas acham que fazer o bem no mundo é viajar para a Somália e dar comida aos pobres. Ok, nada contra. Mas este ainda pode ser um pensamento limitante, porque logo se constata que “não, você não vai para a Somália”,  e pronto, "nada mais pode ser feito". Será?

Eu digo que SIM, você ainda pode fazer muito pela humanidade! Quando você se propõe a fazer algo que realmente acredita ter como um potencial, coisas mágicas acontecem. Se todos pensassem assim, você não precisaria se irritar com aquela atendente que, na verdade, queria mesmo era ser cantora, e agora vê em você a oportunidade de descontar todas as suas frustrações. Ou aquele funcionário público, que se rendeu ao primeiro bom salário, e está no mesmo cargo há 20 anos, por não ter tido a coragem de tentar ser um jogador de futebol.

Ou seja, quando você assume o que sabe e o que realmente gosta de fazer, coloca um profissional incrível no universo, o que, certamente, fará outras pessoas felizes. Da mesma forma, se você adora cozinhar, mas quer ser um adminstrador de empresas porque “ganha bem”, a cagada (e não achei uma palavra melhor) é em dobro: além de colocar um péssimo administrador na vida de outras pessoas, você priva o mundo de ter um excelente cozinheiro!

A verdade é que não estamos "condenados" a nada, muito menos a SOBREVIVER ao trabalho. Ora, se temos a chance de sermos felizes todo o tempo, por que excluir logo o momento do trabalho, que é onde passamos a maior parte da nossa vida? Pra finalizar, deixarei um dos vídeos mais incríveis que vi nos últimos tempos e quem tudo a ver com este post. (Até pensei em escrever os trechos mais legais do vídeo, mas tenho certeza de que você saberá a hora em que ele falará com você).



É, meu amigo...e se você está achando tudo muito bonito, tudo muito feliz, e ainda sim, impossível...hum...o que eu posso fazer por você? Bom eu posso te contar umas histórias de alguém que cismou com essa história de fazer o que gosta e que ainda quer ganhar dinheiro com isso, vê se pode!

(Se eu fosse você, não perderia os próximos posts...)   ; ) 

2 comentários:

Thaynann Javarroni disse...

Si!! Está mandando super bem nos posts e saiba que já favoritei o blog! Parabéns tanto pela escolha dos temas quanto pela escrita e seleção de conteúdo extra-blog. Adorei o vídeo! Beijos :)

leolucca disse...

(Y) Curtir